Oferta de alumínio corre risco por corte de produção no Brasil e sanções contra a Rússia, diz Hydro


OSLO (Reuters) – O mercado global de alumínio corre o risco de escassez de oferta por causa das sanções adicionais dos Estados Unidos contra a Rússia, bem com os cortes de produção no Brasil pela Norsk Hydro (NHY.OL), disse à Reuters o presidente-executivo da Hydro.

Presidente-executivo da Hydro, Svein Richard Brandtzaeg, durante cerimônia em Grevenbroich, na Alemanha 04/05/2017 REUTERS/Wolfgang Rattay

Indústrias que vão desde de as fabricantes de automóveis a produtores de refrigerantes se preocupam com entregas e aumentos de preços acentuados, disse Svein Richard Brandtzaeg em uma entrevista.

Durante o fim de semana, a Hydro realizou uma redução de 50 por cento produção da Albras, como alertado anteriormente, desencadeada por uma disputa não resolvida em sua refinaria de alumina Alunorte, que fornece a matéria-prima principal.

Os preços do alumínio CMAL3 atingiram os níveis máximos de seis anos na Bolsa de Metais de Londres nesta segunda-feira, dando sequência ao movimento de alta que começou quando os Estados Unidos impuseram sanções contra a UC Rusal (0486.HK), o segundo maior produtor mundial, assim como os cortes da própria Hydro.

“Há uma escassez de alumina, e também haverá escassez de alumínio, a menos que a Rusal possa encontrar novos mercados rapidamente”, disse Brandtzaeg na sede da Hydro em Oslo.

https://br.reuters.com/article/businessNews/idBRKBN1HN1C4-OBRBS

“DIVULGAÇÃO DE CUNHO MERAMENTE INFORMATIVO, SEM FINALIDADE ECONÔMICA OU COMERCIAL”.

CNT
Fonasba
Cianam